Buscar
  • Facebook

Como a Inteligência Artificial impulsionará o futuro da criatividade.

Atualizado: 16 de fev.

Fonte: Facebook

Uma nova geração de ferramentas de IA está criando mundos repletos de imaginação e colaboração entre pessoas e empresas.


Você já se perguntou como seria se expressar totalmente de novas maneiras ou se sentir mais criativo? E se esse desejo reprimido pudesse se realizar, aumentando a sua capacidade de se comunicar e se conectar? Chega de sonhar.


Em um momento que o pensamento criativo é fundamental nos negócios, novas ferramentas importantes baseadas em inteligência artificial (IA) expandirão a sua capacidade de imaginar novas ideias, colocá-las em prática e trabalhá-las como um todo.


Uma grande variedade de tecnologias emergentes, como 5G, computação quântica, código-fonte aberto e aprendizado profundo, convergiram nos últimos anos, expandindo e acelerando as capacidades da inteligência artificial e transformando-a em uma nova ferramenta de expressão e diferenciação competitiva.


A IA provavelmente não vai transformar você no próximo Mozart ou Banksy, mas ela oferece um novo tipo de superpoder para a próxima geração de criadores de conteúdo. De garotos prodígios da publicidade e cientistas de foguetes a profissionais de marketing de cinema e coletivos de arte, ela será utilizada para acabar com bloqueios criativos, colaborar com mais eficácia e repensar os problemas difíceis de maneiras novas.


Dê as boas-vindas à era da imaginação acelerada.


"Algumas das nossas experiências mais empolgantes são tentar criar experiências possíveis somente com a IA. Há um enorme potencial para tornar

as pessoas mais criativas."

Jerome Pesenti, vice-presidente de inteligência artificial1


1. IA: seu novo parceiro de criativo

O poder de inspirar, conectar e promover a sociedade, seja em nossas vidas pessoais, nas comunidades ou nos negócios, está relacionado em grande parte à nossa capacidade humana de ser criativo. Ao longo da história, muita dessa criatividade dependeu da invenção de novas ferramentas e tecnologias que nos ajudaram a alcançar novos patamares.


A câmera permitiu o desenvolvimento de novas formas de expressão visual e de setores inteiros, enquanto mais recentemente o sintetizador inspirou novos gêneros musicais. Os smartphones colocaram um computador portátil e uma câmera fácil de usar nas mãos de todos, criando um mercado gigantesco e proporcionando um universo de possibilidades.


As empresas há muito entenderam o potencial dessas ferramentas e os mais progressistas as utilizam para crescer, inovar e se distanciar da concorrência. Atualmente, com a IA criativa, elas estão adquirindo um novo instrumento potente ainda um tanto subestimado. Historicamente, a IA é vista como uma caixa preta frequentemente associada à eficiência e insights, usada para extrair padrões em grandes conjuntos de dados que podem iludir a cognição humana.


Nos próximos anos, porém, a IA migrará dos bastidores para uma forma mais visível no uso cotidiano. Em vez de substituir o seu trabalho, o resultado mais provável é que ela mude a forma como trabalhamos, especialmente em setores como marketing, publicidade, arte e comunicações. Ao se tornar o seu parceiro de criativo, a IA paradoxalmente expandirá as possibilidades de expressão e dará ainda mais asas à nossa imaginação.


“A expressão criativa depende de ferramentas de criação: cinzéis, pincéis, pianos”, afirma Devi Parikh, diretora do Facebook AI Research. "Da mesma forma, todos podem usar essas novas ferramentas de IA, independentemente de treinamento ou formação artística, para contar histórias de uma forma visual envolvente que dá vida à imaginação."


O impacto comercial da IA criativa

Um estudo da McKinsey descobriu que 77% dos líderes seniores entrevistados acreditam que a criatividade é um impulsionador crucial do crescimento.2 As novas ferramentas de IA podem ajudar a atender a essa necessidade de imaginação acelerada fazendo com que as empresas pensem mais além, tenham ideias com mais rapidez e se expressem de maneiras mais variadas, porém, voltadas para os resultados.


Empresas inovadoras estão investindo pesado para oferecer produtos baseados em IA para impulsionar essa próxima revolução criativa. Com base em experiências pessoais, sociais e culturais, os departamentos ou agências de marketing costumam produzir muitas variações de anúncios digitais, com imagens, textos e chamadas para ação ligeiramente ajustados. Eles então conduzem experimentos A/B para descobrir o que funciona melhor. No entanto, empresas como a Pencil usam algoritmos de IA para gerar dezenas de iterações de ideias em apenas alguns minutos.


Os profissionais de marketing estão começando a ver os resultados dessa colaboração para criativos com a IA. Um estudo recente descobriu que as empresas que usam ferramentas de criatividade de IA para a criação de anúncios de vídeo tiveram um aumento médio duas vezes maior no retorno sobre o investimento em publicidade (ROAS) em comparação a campanhas sem suporte criativo de IA e até sete vezes maior em relação a algumas campanhas no estudo.


3 Isso pode ser especialmente atraente para pequenas e médias empresas, que muitas vezes não são grandes o suficiente para manter um departamento de publicidade interno. Mas a corrida pela criatividade e seus benefícios abrange todos os negócios.


Da mesma forma, embora a mídia sintética (conteúdo gerado ou adulterado por IA) tenha sido usada indevidamente por alguns para criar vídeos falsos, ela pode ser aproveitada para desencadear novas formas criativas de transmissão personalizada. Assim como as telas verdes revolucionaram a produção de filmes, ferramentas da startup do Reino Unido, Synthesia, por exemplo, ajudarão as empresas a se comunicarem de maneiras radicalmente novas com videoclipes de cabeças falantes estrelando dublês virtuais criados com um software de IA.


Esses avatares são abertamente apresentados como gerados por computador, e não como vídeos reais, projetados para enganar os espectadores. Em uma campanha recente para erradicar a malária em todo o mundo, a tecnologia da Synthesia foi usada para criar um vídeo apresentando um astro do futebol inglês aposentado contando as histórias de sobreviventes da malária em nove idiomas. Ao longo da campanha, o vídeo obteve mais de 700 milhões de impressões digitais.4


2. Uma inspiração digital e um caminho rápido para novas formas de arte

Em todos os setores e regiões, os criativos estão começando a colaborar com ferramentas de IA para expandir as perspectivas e desenvolver novas formas de arte que serão filtradas de volta para a cultura mais ampla e o mundo dos negócios ao longo do tempo.


O LyricJam, por exemplo, é um sistema de IA criado por pesquisadores do Laboratório de Processamento de Linguagem Natural da Universidade de Waterloo que ouve músicas ao vivo e gera letras em tempo real para que seja possível compreender a música que está sendo tocada. O software usa uma rede neural para analisar progressões de acordes, andamento e instrumentação e sugerir palavras que refletem o clima da melodia.


A ideia não é escrever uma música para o artista, mas inspirar novas ideias e expressões.

As artes visuais são um espaço particularmente vibrante para a aplicação criativa da IA. O artista permanece o personagem principal, utilizando a imaginação, inteligência e visão, mas usando a IA como uma espécie de inspiração digital.


"A IA aumenta as capacidades humanas, não as substitui. A IA expande o nosso pensamento e nos oferece novas maneiras de sermos criativos.”

Devi Parikh, diretora do Facebook AI Research

Sofia Crespo

Sofia Crespo, por exemplo, é uma artista generativa* que usa a IA para mudar a forma como vemos o mundo. Ela examina as semelhanças entre as técnicas de formação de imagens de IA e a maneira como os humanos se expressam criativamente. Em um projeto, Trauma Doll, de Crespo, com sede em Berlim, criou uma boneca movida a algoritmos que "sofre" de transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade e outros problemas de saúde mental.


Como um mecanismo de enfrentamento, a boneca cria colagens usando o reconhecimento de padrões da mídia, como livros e manchetes de notícias. Em outro projeto, Neural Zoo, ela usa a IA e a visão computacional para recombinar elementos conhecidos para criar novos elementos e experiências diferentes de tudo que já foi criado.

"Existe um limite para a nossa imaginação e isso é marcado pelo conjunto de dados das nossas experiências", diz ela.


"[Essas ferramentas] nos permitem trabalhar em novas dimensões de escala do que anteriormente poderia ser possível", permitindo que os artistas descubram padrões que podem não ser aparentes na superfície de grandes conjuntos de dados.

Stephanie Dinkins

Da mesma forma, Stephanie Dinkins, artista e professora da Stony Brook University, usa ferramentas de mídia e IA para promover o diálogo sobre raça, gênero, envelhecimento e história.


Uma experiência de IA que ela criou, o #WhenWordsFail, expande a expressão criativa na arte além das palavras, enquanto o Secret Garden é treinado em histórias orais contadas por gerações de mulheres negras.


"A rápida proliferação da IA em contextos sociais, políticos e culturais oferece oportunidades para mudar a maneira como definimos e administramos relações sociais cruciais e gerenciamos recursos", diz ela.

Scott Eaton

Scott Eaton é um artista que vive em Londres com formação em anatomia, escultura e engenharia. Seu trabalho é frequentemente o resultado de uma interação dinâmica entre a mão dele e as ferramentas de IA que ele "ensinou" a trabalhar como a sua assistente.


A IA aprende comparando diferentes representações visuais, como desenhos de linha e fotografias. Logo ela começa a entender como transformar um desenho em algo fotográfico e, em seguida, aprende a produzir figuras. A mágica do processo, diz Eaton, é quando ela orienta a IA para criar algo diferente de tudo que já foi visto anteriormente.


"A IA não tem escolha a não ser fazer o que eu peço, não importa quão difícil ou irracional seja a minha solicitação", diz ele. "O resultado é muitas vezes uma interação maravilhosa e inesperada de ideias visuais, tanto minhas quanto da máquina.”


3.Desafiando os limites da criatividade no Facebook

Ao longo da sua vasta carreira, Devi Parikh, do Facebook, trabalhado para entender as maneiras como os humanos e a IA interagem, comunicam-se e colaboram. Depois de concluir o doutorado em engenharia da computação, em 2009, na Carnegie Mellon University, Parikh concentrou a sua pesquisa na Virginia Tech e na Georgia Tech no desenvolvimento de algoritmos e sistemas para ensinar um computador a enxergar como um humano.


Sua pesquisa sempre foi baseada em uma profunda humanidade. Na Virginia Tech, ela ajudou a desenvolver um sistema de resposta visual a perguntas que permitiam que pessoas com cegueira ou baixa visão obtivessem respostas rápidas de um computador para ajudá-las a andar pela cidade.


Desde que ingressou no Facebook AI Research como cientista de pesquisa em 2016, inicialmente com foco em visão e linguagem, ela e todas as equipes da empresa têm se concentrado no desenvolvimento de ferramentas para ajudar as pessoas a superar desafios de criação nas redes sociais e plataformas digitais.


A tecnologia de IA, disse ela, "não se trata apenas de tornar a IA melhor isoladamente, mas sim aprimorá-la de uma forma que complemente os humanos, para que seja possível ter equipes de pessoas e IA mais eficazes trabalhando em prol de objetivos comuns".


Parikh não é apenas uma engenheira talentosa. Ela também se inspira no seu trabalho como artista, criando macramês, origamis, desenhos e arte digital coloridos e caprichosos. Ela reconhece, em um nível pessoal, a oportunidade de a tecnologia aprimorar a nossa humanidade.

"Apesar de todas as ferramentas digitais modernas, as pessoas costumam ter dificuldade para usar a própria expressão criativa", diz ela.

Orientada por esses princípios, a equipe do Facebook AI Research desenvolveu várias ferramentas de protótipo de IA que estimulam a criatividade das pessoas.


No Facebook AI Research, seis princípios fundamentais orientam o trabalho da IA criativa. O objetivo geral é incentivar as pessoas a terem novas experiências para compartilhar, criar e se conectar, Além disso, em colaboração com comunidades de código aberto, o meio acadêmico e parceiros, queremos construir o futuro da IA de maneiras que sejam justas, protejam as pessoas e expandam as oportunidades para todos.

Geração de dança

A ferramenta Geração de dança permite aos usuários mesclar um autorretrato e um vídeo de dança para gerar um vídeo deles dançando, independentemente da habilidade ou capacidade física. Está longe de ser um pé de valsa? Sem problemas. O resultado é um conteúdo divertido que conecta você a uma tendência da moda e novos amigos.


O futuro é, em muitos aspectos, um sonho compartilhado que será realizado. A criatividade de amadores, artistas e profissionais de marketing, alimentada pela IA, florescerá e gerará um fluxo de vozes mais expressivas. Tudo o que é necessário para acelerar a imaginação é a criatividade humana e a vontade de experimentar um conjunto crescente de ferramentas de IA..



0 visualização0 comentário